Quando termina o carnaval, muitas pessoas têm a sensação de que finalmente o ano começou. É o momento em que os estudantes organizam os materiais que serão necessários para o dia a dia no ano letivo. Você sabe planejar o seu material de estudo ou o do seu filho, para que não fique pesado? Qual a importância disso? Evita dores e o risco de desenvolver patologias de coluna, causadas pelo peso excessivo da mochila.

Estudo na Espanha: 20% dos casos, carga da mochila ultrapassa 15% do peso do estudante

Numa pesquisa realizada em 2006 na Espanha, com 1403 estudantes de 12 a 17 anos, descobriu-se que 61,4% deles carregavam mochilas ou bolsas que excediam 10% de seus pesos corporais (valor limite de referência recomendado pela Academia Americana de Cirurgiões e Conselhos Regionais nacionais). E ainda, em 20% dos casos, a carga da mochila passava dos 15% do peso do estudante. Neste grupo que carregava as mochilas mais pesadas, 50% tinham risco maior de desenvolver patologias de coluna. De lá para cá, infelizmente, pouco mudou, e no Brasil temos uma situação muito semelhante.

O sintoma mais comum de que há algo errado no peso da mochila é a dor, que pode ser mais intensa quando o indivíduo tem escoliose (condição caracterizada pelo encurvamento da coluna vertebral para um dos lados, deixando um ombro mais alto do que o outro). Dores lombares e contraturas também são comuns e indicam a possibilidade de outras patologias na coluna, como a hiperlordose, hipercifose, pinçamento do nervo e hérnia de disco.

mochilaOs ombros não têm estrutura para carregar objetos pesados penduradas neles. E, se o peso neles for excessivo, isto leva a estresse nos ligamentos e tensão muscular, resultando em desconforto. Por esta razão, deve-se tomar muito cuidado quando a opção do estudante for o uso de uma bolsa (alça única), que deve ser bem mais leve que 10% do peso da pessoa, e mesmo assim, será difícil manter uma postura adequada.

Uma consequência de se carregar uma bolsa no ombro é a passada desequilibrada. Passada (ou “marcha”) é a maneira como os seus braços e pernas balançam naturalmente quando você caminha. Se um braço fica impedido de movimentar, o outro tende a balançar mais. Esse desequilíbrio, geralmente, traz uma rigidez nos músculos da parte superior da coluna e pescoço.

Cuidados

Portanto, uma dica de ouro para mulheres e estudantes que usam bolsa é trocá-la de ombro frequentemente. Também é importante observar se os ombros estão elevados, porque eles são acionados em várias ações durante o dia sem que você perceba, como o uso de celular, mouse, controles remotos e jogos eletrônicos. Tudo isso é muito comum na vida moderna e pode provocar uma degeneração precoce em várias partes do corpo. Em breve falaremos em mais detalhes sobre esses problemas devido ao uso de aparelhos eletrônicos.

Enfim, escolha uma mochila com alças largas, acolchoadas e ajustáveis no ombro, que seja do tamanho adequado para que não se caia na tentação de carregar mais do que precisa. As dicas abaixo certamente ajudarão a evitar problemas no futuro:

– Leve apenas o que for necessário para cada aula;
– Coloque os itens mais pesados o mais próximo possível das costas;
– Alguns livros e cadernos podem ser levados na mão ou na frente (abraçados), para balancear melhor o peso;
– Opte por comprar um caderno maior, que sirva para várias matérias;
– Não coloque alimentos dentro da mochila com livros e cadernos, melhor levá-los numa lancheira;
– Quando possível, use mochila de rodinhas.

Boa volta às aulas e bons estudos!

Referência:

RODRÍGUEZ-OVIEDO P. et al. School children’s backpacks, back pain and back pathologies. Archives of Disease in Childhood, v. 97, p. 730-732, 2012. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1136/archdischild-2011-301253